História

A freguesia de Rio Maior pertence ao Concelho de Rio Maior, Distrito de Santarém, província do Ribatejo. Fazendo fronteira com a Estremadura, situa-se no centro de Portugal, a 80 km da capital, a 233 km do Porto, a 20 km de Caldas da Rainha e a 30 km de Santarém. A zona norte da freguesia está integrada na área protegida do Parque Natural da Serra de Aires e Candeeiros, da qual também fazem parte as Salinas de Rio Maior.

A freguesia de Rio Maior é constituída pela cidade de Rio Maior, por 11 bairros (Abum, Chainça, Encosta do Sol, Mãe D’Água, Vale Falante, Sobreiros, Bastidas, Dr. Laureano Santos, Fonte Lagoa, Primavera e Serradinha) e 39 lugares (Abuxanas, Alto da Serra, Anteporta, Arco da Memória, Arneiro, Atalaia, Azinheira, Bairradas, Boiças, Caniceira, Casais da Alagoinha, Casais do Cidral, Casais da Mesquita, Casais da Serra, Casais dos Silvas, Casal do Brejo, Casal Calado, Casal Filipe, Casal da Fisga, Casal da Longra, Casalinho, Cidral, Cumeira, Figueiredos, Fonte da Bica, Freiria, Lobo Morto, Marinhas do Sal, Mata de Baixo, Pé da Serra, Quintas, Quintão, Senhora da Luz, Senta, Vale da Laranja, Vale de Óbidos, Várzea, Venda da Costa e Venda da Natária).

IMG_0716O povoamento da freguesia de Rio Maior é bastante antigo, a avaliar pelos primeiros indícios de ocupação humana que remontam à pré-história, nomeadamente ao Paleolítico Inferior e Superior. Os abrigos naturais oferecidos pela serra e pela florestação, assim como clima ameno, seriam os principais atractivos para a ocupação e estabelecimentos de povoados.

Os Romanos também marcaram a sua presença por estas paragens, sendo a mais significativa prova material dessa presença a Villa rústica, descoberta em 1983. Para escoar os seus produtos e facilitar os acessos, os Romanos beneficiavam da passagem da via que ligava Lisboa a Braga, da qual ainda é possível encontrar alguns indícios no Alto da Serra.

O século XVIII ficou marcado pela construção da estrada real D. Maria I, respeitando o traçado da antiga via romana na maior parte do percurso, facilitando os acessos e a passagem da mala-posta, com um posto de mudança no Alto da Serra (hoje conhecido como “casa da muda”).

salinasRio Maior também alcançou o estatuto de Vila (criado depois de 1640), passando a fazer parte do concelho de Azambujeira. Uma das causas justificativas dessa situação consistiu, provavelmente, na dispersão da sua população, devido à grande fertilidade dos campos.

Na sequência do reordenamento administrativo do reino, coordenado por Passos Manuel, D. Maria II decretou em 6 de Novembro de 1836 a elevação de Rio Maior a Vila e sede de Concelho, facto que foi preponderante para o crescimento ordenado da população.

São marcos da freguesia de Rio Maior as Salinas de Sal Gema, a Villa Romana de Rio Maior, o complexo mineiro do Espadanal, as grutas da Sra. da Luz, a Igreja da Misericórdia e toda a paisagem natural do Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros.

bannermain